A Verdade Verdadeira Por Que Ganhou Trump (E Isso Que Não Sou Jornalista)

14 Novembro, 2016 (22:35) | economia, política

Quando chegaram as primeiras notícias de que as explosões das Torres Gémeas foram causadas por aviões kamikazes, escutei duma pessoa hipercrítica com o mundo inteiro: “Claro. Os aviões são as bombas dos pobres”. Os “pobres” que planificaram e financiaram o massacre resultaram ser petromonarquias árabes, não palestinianos desapossados. Naquele 11/9 escutaram-se também vozes clarividentes de que o atentado era predizível, que “se via vir”. Com a vitória do machista, classista e racista Donald Trump para a presidência dos EUA, confirmada num inverso 9/11, observam-se respostas semelhantes que, com tal de criticar a assassina Clinton — que é amiúde chamada Killary por Hillary — trivializam as implicações da vitória do republicano, a quem apresentam pouco menos que um palhaço populista mas que, no fundo, diz verdades necessárias. Pablo Iglesias opina num artigo em Público (09/11/2016) que o populismo é de facto um “momento político” “Trump y el momento populista”), e do qual pode haver versões de “esquerdas” e de “direitas”; e Errejón “teoriza” em LaSexta em 09/11/2016 que Espanha, porém, está vacinada contra o populismo de ultradireita porque viveu o (glorioso) 15-M que teria feito nascer Podemos. Bom, além de ignorar que na Espanha a ultradireita já está no poder (o qual é grave), Errejón talvez esqueça que EUA viveu o enorme movimento Occupy, que deveria ter vacinado contra a vitória do populismo de Trump. (Ou — dentro dessa lógica — que o teria nutrido, como o 15-M a Podemos?).

A realidade é que Trump não ganhou as eleições. Em voto popular, ganhou Hillary Clinton por uns 600.000 votos e pico (a diferença foi crescendo gradualmente). Mas Trump será presidente porque recebeu 60,4 milhões de votos reacionários distribuídos de tal maneira que, segundo o sistema maioritário de “votos eleitorais” de superdelegados/as por estado, ele obteve a maioria necessária. Esses 60,4 milhões e os mais de 61 milhões de Clinton representam, respetivamente, apenas 27,5% e 27,8% do censo eleitoral, que em absoluto inclui toda a população adulta do país. A abstenção foi 42%. Em estados como North Carolina, por exemplo, legislação mais restritiva aprovada recentemente por uma maioria republicana fazia muito mais difícil às minorias negras registar-se para ser votante; North Carolina obteve maioria republicana. Em muitos estados, a população de reclusos, maioritariamente negra também, não pode votar, e isto pode chegar a um 25% da população masculina adulta do seu grupo. E em muitos colégios eleitorais os recortes de meios fizeram com que se tivesse que fazer fila até 3 horas, o qual terá desencorajado um bom número de votantes. Em resumo: nas análises totalizadoras esquecem-se também as particularidades do processo eleitoral dos EUA, desde o sistema maioritário e as restrições ao voto, até às cifras reais de abstenção e apoio respetivo.

Contudo, numerosos todólogos repetem — e, no melhor dos casos, argumentam originalmente — certas “explicações” pós-facto da vitória de Trump, ora como se fosse inevitável, ora como se fosse resultado direto das políticas neoliberais de Clinton, ora como as duas cousas. O teólogo brasileiro Leonardo Boff opinava em Twitter (antes de banir-me por questionar o que dizia) que Trump conseguira desafiar nada menos que o “establishment de Wall Street e o complexo militar-industrial”. Lembrou-me bastante a parvada das “bombas dos pobres” do 11-S. Vicenç Navarro, num artigo em Público iluminadamente intitulado “Es sorprendente que se considere sorprendente la victoria de Trump”, afirma que, visto o desamparo em que o Partido Democrata deixara a classe trabalhadora, ele mesmo já predissera a vitória de Trump no passado outubro:

«Lo que ha ocurrido en EEUU con la elección del candidato republicano, el Sr. Donald Trump, era predecible. Y así lo había yo indicado en un artículo reciente (ver “De lo que no se informa y/o se conoce sobre las elecciones en EEUU”, Público 18.10.16)».
(Vicenç Navarro, “Es sorprendente que se considere sorprendente la victoria de Trump”, Público, 14 de novembro de 2016).

O problema é que nesse clarividente artigo do 18 de outubro Navarro dissera exatamente o contrário (que Trump perderia), como se pode ler aqui:

«Ahora bien, la posible derrota de Trump [sic] dejará intacto el enorme problema que existe hoy en EEUU y del que el establishment político-mediático parece no ser consciente (…) Ahora bien, el gran problema que permanecerá después de las elecciones es que la victoria de la Sra. Clinton [sic] (victoria necesaria en este momento) no cambiará el contexto que determinó la aparición de Trump».
(Vicenç Navarro, “De lo que no se informa y/o se conoce sobre las elecciones en EEUU”, Público, 18 de outubro de 2016; os meus destaques).

É surpreendente que Vicenç Navarro não se surpreenda das suas próprias palavras. Mas esta contradição não importa: os todólogos do Reino e de alhures continuarão a ser citados e repetidos por hordas de comentaristas também todólogos (na sua imensa maioria varões), muitos dos quais no fundo estão contentes da vitória dum perigoso demagogo frente a uma sanguenta Hillary Clinton, que teria sido ainda pior do que o George Bush Sr. dos bombardeamentos de Iraque.

Porque no seu argumento de que Trump “desafiou as elites”, e no seu intuito de atacar estas elites, as análises confundem não só a retórica com os factos, mas a natureza destas elites. A novidade de Trump é só que não procede da “casta” política (não lhe é necessário); mas no seu gabinete em formação já está a nomear na sua equipa o mais florido do mais ressesso establishment político (“Trump’s transition team signals return to GOP establishment“). Rudolph Giuliani, por exemplo, quem declarara que se chegava a ser Fiscal Geral do Estado (vamos, afinador de casos ad hoc contra adversários políticos) não demoraria nem dous meses em processar Hillary Clinton polo assunto dos correios eletrónicos. Agora Trump afirma em entrevista em 60 Minutes (13-11-2016) que não a processará, e será um enigma saber como tomarão isto os mesmos votantes que coreavam “Lock her up! Lock her up!” (“Mete-a no cárcere! Mete-a no cárcere!”), ou o indivíduo que no próprio mitin de proclamação da vitória de Trump lhe pediu a gritos “Mata Obama!” sem que, que se saiba, fosse detido.

A realidade é que Trump não desafia elite nenhuma não, e que os seus votantes provavelmente o soubessem: é um milionário declaradamente defraudador, como as elites (e, por isso, admirável, como os corruptos espanhóis). Chomsky, numa cumprida entrevista em Truthout.org que clarifica bastante do que os todólogos confundem (C. J. Polychroniou: “Trump in the White House: An interview with Noam Chomsky”), explica o papel de certas interseções entre classe e políticas identitárias nos EUA nestas eleições. Ele indica o anteriormente comentado: que na realidade ganhou Clinton. E, ao longo das páginas, penso que Chomsky destaca o que eu também humildemente opino: que a ideologia puramente racista, reacionária e ignorante pesou bastante mais em a gente querer acreditar na “mudança” de Trump do que uma posição “de classe” enfadada com o poder do establishment pola perda de oportunidades e trabalhos:

«The “change” that Trump is likely to bring will be harmful or worse, but it is understandable that the consequences are not clear to isolated people in an atomized society lacking the kind of associations (like unions) that can educate and organize» («A “mudança” que Trump possivelmente traga será prejudicial ou ainda pior, mas é compreensível que as suas consequências não sejam claras para a gente isolada numa sociedade atomizada e carente do tipo de associações (como os sindicatos) que possam educar e organizar»; ênfase minha).
(Noam Chomsky em C. J. Polychroniou: “Trump in the White House: An interview with Noam Chomsky”, Truthout.org, 14 de novembro de 2016).

Singularmente, muitos trabalhos de trabalhadores brancos foram perdidos em favor de minorias e emigrantes, tão amiúde dispostos a trabalhar por menos. Esse ressentimento social contra o diferente não é novo, e dá-se também em Europa, não só por perda de trabalhos devido a políticas neoliberais que deixam no desamparo mas, precisamente, polo contrário: por uma sensação de que o Estado, com as suas minguantes mas ainda existentes ajudas, está a proteger as minorias e as mulheres mais do que o faz com o homem branco. Esta retórica anti-Outro renasce periodicamente: a jornalista afro-americana do New York Times Magazine Nikole Hannah-Jones argumenta em Democracy Now! (9-11-2016) que este tipo de rebotes racistas se dá regularmente na história eleitoral dos EUA depois de períodos de avanço na igualdade racial; agora acontece depois de 8 anos de governo dum afro-americano. A reação racista, a propósito, é perfeitamente compatível com a ideologia do hoje ignorado Tea Party, aqueloutra encarnação epitómica aparentemente não do “protecionismo” trumpiano, mas do ultraliberalismo reacionário que esse voto trabalhador branco representa. Porque, onde está hoje aquele amplo setor do ultraliberal Tea Party? Sumiria magicamente? Terá-se abstido? Por lógica ilógica, deveria ter apoiado a “neoliberal” Hillary Clinton em lugar do “protecionista” Donald Trump. Alguém acreditaria nisto?

Porque há uma contradição que as análises que situam a desfeita económica auspiciada por um Partido Democrata “neoliberal” na base da reação e enfado dos votantes não estão a explicar: como é possível que os mesmos votantes enfadados com um Partido Democrata neoliberal renovassem o mandato de governadores e representantes republicanos que tiveram e têm tanta responsabilidade na desfeita neoliberal das classes trabalhadoras como as elites democratas? Para começar, a política de “estímulo” público keynesiana proposta por Obama foi freada por um parlamento em mãos republicanas porque “comprometeria a estabilidade orçamentar”, na mais clara veia austericida. Por outra parte, foram também os governos dos estados (começando polo republicano e agora vice-presidente Pence, ex-governador de Indiana) que impuseram draconianos cortes de emprego público, por exemplo sobre os ensinantes, o que provocara fortes greves e protestos populares há uns anos. A realidade, de novo, é que as mesmas pessoas que votaram em favor de Trump porque iria “contra a casta”, no mesmo dia do 8 de novembro votaram em favor da “casta” nos governos e parlamentos dos estados, fossem democratas ou republicanos: o reparto pouco mudou. Por isso, contra o que muitos comentaristas argumentam, parece-me profundamente duvidoso que um candidato como Bernie Sanders, que se autoproclama “socialista democrático”, pudesse ter ganhado não só a nomeação Democrata, mas inclusive a carreira presidencial, num país onde até se insulta como “socialista” um sistema de saúde público como o do Canadá ou dos países europeus.

Em resumo, a explicação da vitória de Trump não pode vir da mão de simplismos, como de que só recolhesse a “indignação” popular. Não se trata só de populismos. A vitória de Trump não era inevitável; está por ver, por exemplo, o papel que jogou a campanha do FBI contra Clinton nos últimos dias. Em voto popular, ganhou Clinton (isto é, o “neoliberalismo”). Polo sistema eleitoral, uns centos de milhares de votos nos estados do “Rust Belt”, o “cinto de ferrugem” da antiga indústria desmantelada de Ohio, Michigan, Indiana, Illinois, etc., deram o voto delegado dalguns destes estados a Trump. Mas não esqueçamos que ele não deixou de obter milhões de votos tradicionais e tradicionalistas da América Profunda (desse “cinto da Bíblia” onde se acredita que a terra foi criada há 5.000 anos), como possivelmente teria obtido (se não mais) qualquer candidato/a republicano/a, fosse ou não “protecionista”.

O jornalista Jesús Maraña opinava em LaSexta (14-11-2016) que Trump é mais um demagogo do que um populista, e a diferença faz sentido. Um populista (como Hitler) precisa do apoio constante das massas; um demagogo só tenciona convencê-las, até mudando de opinião como convir. É duvidoso que as massas como tais vaiam exigir de Trump tudo o que gritavam no show da campanha. É possível que ele vaia rebaixando a sua retórica demagógica para fazer o que encaixar nos planos dos setores republicanos que controlam todos os poderes: o executivo, o legislativo e, logo, o judicial, com o nomeamento de um juiz conservador no Tribunal Supremo. No económico, para começar, estão contentas desde a banca (pola prometida suba de juros, que fará circular o empréstimo às empresas), as grandes farmacéuticas (pois não parece que se vaia limitar o preço dos medicamentos), o setor da energia não renovável (pois se promoverá o “fracking” e a exploração e transporte de cru pesado), e a siderurgia e a construção (pois Trump já prometeu reconstruir as infraestruturas públicas em lamentável estado, aquilo que Obama não pôde fazer por oposição republicana). É possível que, frente à especulação, se inaugure uma fase de acumulação de capital produtivo “nacional” durante uns anos, isto é, protecionismo interno (frente aos “tratados de livre comércio”, que são puro protecionismo frente ao mercado internacional), para fomentar o consumo e se poder, assim, realizar em lucro o valor da produção. E é possível que parte desta fase inclua mais guerras (ainda mais que com a temida Clinton) onde se consuma muito metal pesado produzido, e outros recursos. Evidentemente, querer fazer tudo isto (proteger a “economia real” e o capital) reduzindo ao mesmo tempo os impostos ao grande capital só pode levar ao que já conhecemos: a um enorme endividamento público, que, de novo, voltarão a pagar, anos depois, as classes trabalhadoras.

Trump não ganhou por inevitabilidade histórica, isto é, porque a sua vitória fosse necessária para garantir a supremacia do capital inaugurando uma fase política ainda mais perigosa para o mundo: talvez ganhasse porque — como com o Brexit do Reino Unido, a tensão da Escócia e da Catalunha por independizar-se, e outras tendências neo-nacionalistas na Europa — dentro da lógica do capitalismo, dos seus ciclos e das suas lutas entre setores, talvez ainda seja possível substituir uma “crise” de supergeração de capital especulativo fictício por um novo (se calhar breve) regime de acumulação produtiva “nacional”, só para dar passo por fim a uma outra queda do lucro e portanto uma próxima crise do valor ainda mais pavorosa, e talvez, essa sim, terminal. Iremo-lo sabendo daqui a dez ou vinte anos, se vivemos.