Category: literatura

O “bajón” das línguas

21 Febreiro, 2011 (19:01) | cultura, língua, literatura, mercado simbólico, mudança linguística, práticas de fala, sociedade | 1 comment

“Estaba yo en un pub [en Coruña] … Y de repente le digo [al chico]: ‘Ah, no sabía que eras el primo de Tal’. Y me dice: ‘Sim, sou o primo de Tal’. Y digo yo (‘¡Habla gallego!’). Y me dio un bajón…”. Marta López, concursante do Gran Hermano espanhol, 2011. Essa tarde fresca de […]

“Yo lo dispuse todo imagen tras imagen”

13 Xullo, 2008 (00:00) | cultura, língua, literatura, mercado linguístico |

Publicado em Vieiros Nunca esquecerei este verso de Álvaro Pombo, que me amartela inesperadamente igual que me amartela “and what remains is just the sense of getting older”, dum para mim incógnito John Koethe, ou “como enxotar a morte / esse animal sonâmbulo dos pátios da memória”, do nosso Eugénio de Andrade. Esqueci mais, sim, […]

De imagem, linguagem e identidades: Yolanda Castaño vs. Os Aduaneiros

18 Outubro, 2007 (00:00) | cultura, discurso, literatura |

Estes dias remexe parte da opinião pública galega a decisão do lugar web satírico-humorístico Aduaneiros sem Fronteiras na sequência de umas cartas do advogado da poeta Yolanda Castaño requerindo que eles retirassem uma animação “flash” sobre ela e uns comentários anónimos e públicos que Castaño considerou ofensivos. O que está em jogo neste assunto é […]

Uma questão de cultura

12 Xuño, 2002 (00:00) | cultura, escrita, língua, literatura, mercado linguístico |

Enviado a La Voz de Galicia e a La Opinión de A Coruña; não publicado O recente Encontro Nacional sobre a Língua organizado pola Mesa pola Normalización Lingüística, a que assistiram numerosas associações culturais e de base e indivíduos, concluiu aprovando uma série de resoluções para o trabalho em favor da língua. A primeira diz: […]

Prólogo para o livro de Mário J. Herrero Valeiro No limiar do silêncio (poemas da estrangeirice)

25 Outubro, 1999 (00:00) | classe, cultura, língua, literatura |

Prólogo para o livro de Mário J. Herrero Valeiro No limiar do silêncio (poemas da estrangeirice), VII Prémio de Poesia Espiral Maior, Espiral Maior, Corunha, 1999. Pp. 7-12 “E vi os mortos, como quando a figueira lança os seus figos verdes, entre as águas que estavam debaixo do firmamento, águas negras, e a lua como […]

Literatura Zonal

12 Maio, 1998 (00:00) | cultura, língua, literatura, mercado simbólico |

Publicado n’O Pica-folla, Maio 1998 Imagino que, duma vez mais, será a minha uma das poucas vozes discordantes a respeito de como se vê o idioma galego e a cultura feita na Galiza. Não me importa muito, estou afeito. Não me importa “ter razão” ou “estar errado”: o que me importa é como se vai impondo […]