Category: mercado linguístico

Por um Galego Normativo do século XXI

23 Setembro, 2010 (00:00) | escrita, língua, mercado linguístico |

“Eu tamén sou lusista, Celso, pero entre nós; o pobo necesita unha grafía!” (Um indignado Francisco Fernández del Riego, em memorável encontro, década de 1990) Categorias sobre a escrita Verdadeiramente, as categorias sobre a língua formal escritas que os discursos hegemónicos utilizam são do mais falacioso, e amiúde não só contradizem a realidade, mas as […]

O conflito linguístico só tem uma saída

5 Maio, 2009 (00:00) | classe, direitos linguísticos, língua, mercado linguístico, política |

Publicado no Portal Galego da Língua O conflito linguístico é inerente às sociedades de classes, porque não é um conflito linguístico: é um conflito de classe, em vários sentidos amplos, de grupos em controlo de diversas peças dessa perversa maquinaria que é um modo de produção essencialmente injusto, ainda com todas as correções que se […]

Uma língua difícil para a Galiza

30 Setembro, 2008 (00:00) | classe, cultura, escrita, língua, mercado linguístico |

Publicado em Vieiros Polo pouco que sei sobre as relações entre essas abstrações que são “a língua” e “a sociedade”, qualquer língua escrita é muito difícil de dominar. Frente à fala, que se vai aprendendo como parte do processo de comunicação (que inclui outras cousas), a língua escrita acarreta anos de aprendizado formal, desde a […]

Língua, Mercado e liberdade

9 Setembro, 2008 (00:00) | classe, direitos linguísticos, economia, língua, mercado linguístico, política |

Publicado no Portal Galego da Língua 1. A eliminação do coletivo Num texto de 1998, Pierre Bourdieu (“L’essence du néolibéralisme”, Le Monde Diplomatique, Março 1998; acesso na Internet: http://www.monde-diplomatique.fr/1998/03/BOURDIEU/10167 ; existem traduções portuguesas como a de Informação Alternativa, http://www.infoalternativa.org/teoria/teo007.htm) lembra-nos o principal procedimento do liberalismo moderno (o duvidosamente chamado “neoliberalismo”, isto é, o ultraliberalismo que […]

“Yo lo dispuse todo imagen tras imagen”

13 Xullo, 2008 (00:00) | cultura, língua, literatura, mercado linguístico |

Publicado em Vieiros Nunca esquecerei este verso de Álvaro Pombo, que me amartela inesperadamente igual que me amartela “and what remains is just the sense of getting older”, dum para mim incógnito John Koethe, ou “como enxotar a morte / esse animal sonâmbulo dos pátios da memória”, do nosso Eugénio de Andrade. Esqueci mais, sim, […]

Encruzilhada da língua

25 Abril, 2005 (00:00) | escrita, língua, mercado linguístico, mercado simbólico |

Publicado em Vieiros O movimento linguístico-cultural galego está na altura numa encruzilhada mais evidente do que jamais antes na nossa história sociolinguística. O movimento linguístico-cultural, que leva anos ultrapassando na prática (polas suas iniciativas, o seu dinamismo e o seu compromisso activo) a actividade institucional e pára-institucional que promove a fragmentação cultural da Galiza, debate-se […]

Todas as opções: Qual é o problema?

25 Marzo, 2005 (00:00) | escrita, língua, mercado linguístico |

Publicado em Vieiros Qual é o problema com escrever o galego oral em português, como lhe corresponde? Por circunstâncias históricas, tocou-nos um pedaço grande de língua galego-portuguesa distinto em alguns aspectos da tendência comum, e algumas pessoas (sempre muito poucas) na Galiza levam dous séculos a tentarem conciliar esta aparente aberração, a discutirem teimosamente sobre […]

Sobre a Escrita, Contra o Populismo Normativo: Catorze Verdades de Fé dum Pseudo-Sociolinguista

2 Setembro, 2004 (00:00) | classe, escrita, língua, mercado linguístico |

Publicado no Portal Galego da Língua Na lista Assembleia da Língua, Gerardo Uz pergunta sobre o papel dos sistemas escritos na marginação dos grupos sociais. Concretamente, a questão é se a forma específica duma norma escrita afecta o seu possível conhecimento ou desconhecimento e, portanto, ulterior selecção social. Opino longamente: 1) Nas sociedades de classes […]

O PNLG: Um desenho fechado à partida

20 Febreiro, 2003 (00:00) | língua, mercado linguístico, mudança linguística, política |

Publicado em Tempos Novos • Em Vieiros O PNLG parte da Língua Nacional Espanhola para manter a variedade regional “galego” em níveis mínimos como recurso simbólico e político. Na relação entre custos e possíveis benefícios, o PNLG -claramente tecnocrático- apropria sem pudor o gasto termo “normalización”, enquanto foca o sociolinguístico em termos administrativos, segmentando-o em […]

Uma questão de cultura

12 Xuño, 2002 (00:00) | cultura, escrita, língua, literatura, mercado linguístico |

Enviado a La Voz de Galicia e a La Opinión de A Coruña; não publicado O recente Encontro Nacional sobre a Língua organizado pola Mesa pola Normalización Lingüística, a que assistiram numerosas associações culturais e de base e indivíduos, concluiu aprovando uma série de resoluções para o trabalho em favor da língua. A primeira diz: […]